Ir para o conteúdo principal

Blog


3 atitudes que desperdiçam o seu dinheiro

3 atitudes que desperdiçam o seu dinheiro

Com a correria do dia a dia, é comum cometer deslizes. Mas nas finanças, esses pequenos erros podem se tornar uma grande dor de cabeça ao longo do tempo. Deixar as contas vencerem ou investir em uma aplicação financeira que não é adequada ao seu bolso, por exemplo, pode criar uma bola de neve de dívidas futuras.

Por isso, algumas mudanças de comportamento podem ajudar você a poupar mais e controlar melhorar seus gastos. Selecionamos 3 atitudes a serem evitadas se você não quer jogar dinheiro fora.

1. Atrasar a fatura do cartão é um dos piores riscos tomados na hora de administrar suas finanças, pelo menos aqui no Brasil. Se, no fim do mês, você não tiver dinheiro para pagar a conta e não quitá-la até a data de vencimento, vai precisar parcelar a dívida e entrará no crédito rotativo. O que isso significa? Arcar com um dos juros mais caros do mercado, que é de mais de 200% ao ano. Fazer um empréstimo pode ser uma solução mais sensata nesse caso.

2. Esquecer o dinheiro na conta corrente também não é uma boa ideia. Tê-lo sempre disponível e com fácil acesso é correr o risco de efetuar gastos desnecessários com o cartão de débito. É muito melhor aplicar uma parte do dinheiro na poupança, que rende cerca de 0,5% ao mês. Por isso, deixe uma transferência mensal agendada para não esquecer. Dependendo da sua condição financeira, também pode ser mais útil investir em ações ou adquirir um bem durável.

3. Comprar títulos de capitalização é outro modelo de investimento que, na verdade, pode se tornar uma furada. Por mais que muitos bancos ofereçam uma taxa de remuneração igual à da poupança e promovam sorteios, a rentabilidade para o cliente é mínima. Normalmente, neste tipo de serviço, a instituição financeira fica com quase todo seu depósito realizado nos primeiros meses. E a partir dos seguintes, o dinheiro investido rende no mesmo juro da poupança, porém você terá de pagar taxas bastante altas, de cerca de 4% ao mês. Ou seja, no final, quem leva a melhor é o banco.
 
\"\"


Comentários