Ir para o conteúdo principal

Blog


Como fortalecer seu sistema imunológico no isolamento

Como fortalecer seu sistema imunológico no isolamento

Já se sabe que o isolamento social, os hábitos de higiene e a manutenção de uma boa saúde são os pilares para vencer o coronavírus. Por isso, em tempos de pandemia, além de permanecer em casa e lavar as mãos, é importante não abrir mão dos cuidados com o sistema imunológico. A alimentação correta e balanceada é a principal responsável para fortalecer a imunidade. 

Monte “refeições coloridas”

Faça as famosas “refeições coloridas”. Quanto mais diversificado e colorido o prato, melhor, já que a cor dos alimentos reflete o tipo de micronutrientes que têm neles. Inclua carboidratos, proteínas e vegetais cozidos e crus. Consuma, também, pelo menos 3 porções de frutas por dia. 

Uma alimentação saudável fornece os nutrientes necessários para fortalecer a imunidade.

Consuma as vitaminas antioxidantes

As vitaminas antioxidantes são muito importantes para o corpo. Entre elas, estão as vitaminas D, E, zinco e selênio. Alimentos como azeite de oliva, alho, castanha do Pará, laranja, etc., são ricos em antioxidantes. Além disso, não esqueça de tomar sol diariamente para ativar a vitamina D do corpo. Não adianta ingerir essa vitamina sem ter a exposição ao sol.

Consuma fibras e fermentados

As fibras são importantes para o funcionamento intestinal e aumentam o número de bactérias probióticas. Existe uma grande influência da microbiota intestinal em nossa imunidade. Coma feijão, sementes e cereais e frutas. Se possível, consuma também bebidas fermentadas.   

Diminua o consumo de álcool e sódio

Em excesso, o álcool e o sal são prejudiciais para o sistema imunológico. Seu consumo pode ser feito, mas com moderação.

Lembre-se que o objetivo da alimentação saudável é fortalecer o sistema imunológico para prevenir que o coronavírus evolua para estágios mais graves. Ou seja, nenhum alimento, receita ou vitamina cura ou previne a doença. Por isso, mantenha os outros cuidados recomendados pela OMS. 

Fontes: 

Instituto Federal

Correio Braziliense


Comentários