Ir para o conteúdo principal

Blog


O que fazer para ajudar a melhorar o trânsito da cidade

O que fazer para ajudar a melhorar o trânsito da cidade

Novo ano, novas posturas, certo? Um dos melhores jeitos de começar grandes mudanças é nas pequenas atitudes do dia a dia, aquelas que a gente nem dá bola, mas que trazem reflexos para nós e para quem nos rodeia.

O trânsito consome tempo de todo mundo e o estresse causado pelo grande número de carros disputando um pequeno espaço na via é quase inevitável. Pois bem, um bom jeito de ser melhor nesse novo ano é rever nossa postura no trânsito, sejamos nós motoristas, ciclistas ou pedestres.

Como podemos, afinal, mudar de postura no trânsito a fim de facilitar nosso bem-estar e a convivência com terceiros?

Comecemos por quem está no volante:

CONDUTOR

Planeje o percurso

Isso evita que você prejudique o trânsito ao ficar em dúvida sobre o melhor caminho a seguir, procurando local onde estacionar ou fazendo mudanças bruscas de rumo, por exemplo. Esse planejamento pode incluir três etapas básicas:

1. Horário

Se você não tiver um compromisso com horário pré-definido, escolha um horário do dia com menos movimento nas ruas. Fica melhor para você e para os outros. Horários a serem evitados em dias de semana:

Manhã: 7h às 9h

Tarde: 17h às 19h30min

2. Rota

Defina com antecedência o trajeto mais adequado e se familiarize com ele. Assim, você pode se colocar na melhor faixa para eventuais conversões com antecedência, por exemplo, e evita dúvidas de percurso que podem deixar a condução muito lenta ou sujeita a mudanças bruscas de direção.

3. Estacionamento

Onde você vai deixar o seu carro? Se é uma rua onde é difícil conseguir vaga, veja quais são as opções próximas. Podem ser ruas perto onde há mais espaço, estacionamentos privados etc. Isso reduz o risco de você dirigir lentamente em busca de uma vaga ou ficar dando voltas na quadra.

De olho na sinalização

A grande maioria dos condutores conhece as regras, mas escolhe não cumpri-las. De todas as multas aplicadas na cidade neste ano (até outubro), as duas mais comuns envolvem desrespeito à sinalização: excesso de velocidade (153 mil) e estacionamento em local proibido (54,6 mil). Correr demais aumenta o risco de acidente, e estacionar em local proibido dificulta a circulação das outras pessoas.

Deixe o celular de lado

Conduzir manuseando o celular ou falando ao aparelho já é a terceira infração mais comum na Capital. A cada 11 minutos, em média, um motorista é flagrado com o telefone em mãos enquanto dirige. As recomendações básicas são:

- Se o seu carro tem esse recurso, habilite a conexão via bluetooth para poder falar sem tirar as mãos do volante.

- Evite digitar ou ler mensagens enquanto aguarda o sinal verde na sinaleira. Frequentemente, o condutor não percebe que o sinal abriu e atrasa a partida.

Use a luzinha

Acionar o pisca para avisar que você vai mudar de direção é uma medida simples e eficaz para dar fluidez ao tráfego e reduzir o risco de acidentes. Ainda assim, muitos motoristas teimam em não acioná-la. Entre janeiro e outubro, a cada dia 83 motoristas foram multados, em média, por não indicar mudança de direção na cidade. Essa medida é importante em situações como as seguintes:

- Antes de mudar de faixa, acionar o pisca permite aos demais motoristas manter a distância necessária para que você conclua a manobra com segurança.

- Antes de fazer uma conversão, a sinalização permite que os carros que vêm atrás reduzam a velocidade e evitem uma colisão. Isso também alerta os pedestres de que você vai dobrar naquela rua.

Gentileza gera gentileza

Se um condutor der pisca sinalizando a intenção de mudar de faixa ou fazer uma conversão, por exemplo, reduza a velocidade e facilite a manobra. Tente se colocar no lugar do próximo. Exemplos de gentileza que podem fazer do trânsito um lugar mais humano:

 - Não corte outros veículos

 - Veículos maiores dão preferência a veículos menores, e ciclistas dão preferência a pedestres

 - Use a buzina somente em caso de necessidade

 - Respeite a preferência do pedestre na faixa

 - Não cole na traseira do carro à frente

 - Respeite a distância mínima de 1,5 metro ao passar por um ciclista

Diga não à fila dupla

Não pare em fila dupla, mesmo que seja "só por um minutinho", para desembarcar ou embarcar alguém. Esse hábito, frequente diante de escolas, tranca a circulação. Algumas ações que podem ser tomadas para driblar a fila dupla:

- Tente chegar antes do horário de pico para aumentar a chance de conseguir uma vaga junto ao meio-fio

- Procure um outro ponto na quadra onde possa deixar o passageiro, se for essa a razão da parada.

- Em casos mais crônicos, procure a direção da escola (quando for esse o problema) para verificar se não há soluções alternativas que possam ser colocadas em prática — como liberar um espaço para embarque e desembarque rápido na área do estabelecimento.

Carro na garagem

Sempre que possível, procure dar preferência ao uso do transporte público. Menos carros nas ruas deixam o trânsito mais fluído e menos poluente.

Aos motoristas de aplicativo:

Encoste para o embarque

Segundo a EPTC, muitos motoristas de aplicativo estão parando no meio da via para embarcar o passageiro, em vez de encostar junto ao meio-fio. Além de representar uma infração, isso torna o trânsito mais lento e aumenta o risco de acidente.

Agora, a quem não está dirigindo:

PEDESTRE

Sempre na faixa

Muitos pedestres ainda atravessam a rua longe da faixa, mesmo que exista uma a poucos metros de distância. Atravessar na faixa aumenta a segurança, pois é um ponto mais visível aos motoristas. Mas atenção: onde houver sinaleira, aguarde o sinal vermelho para os veículos.

- Em 2017, 44 pessoas morreram atropeladas na Capital.

Cuidado no corredor

Se for usuário de transporte público, jamais atravesse o corredor de ônibus (principalmente correndo) para embarcar ou logo depois de desembarcar de um veículo. Vá para o espaço destinado à travessia.

MOTOCICLISTA

Evite “costurar”

Segundo a EPTC, as motos representam apenas 11% da frota na Capital, mas se envolvem em 30% dos acidentes com morte. A principal recomendação dos especialistas é não fazer ziguezague entre os automóveis com o trânsito em movimento.

CICLISTA

Preferência à ciclovia

O Código de Trânsito estipula que as bicicletas devem circular, de preferência, nas ciclovias e demais espaços destinados a elas. A separação do trânsito aumenta a segurança do ciclista. Quando não for possível, nas margens das pistas (não sobre a calçada, exceto onde houver sinalização para isso).

Respeito à sinalização

Não há registros oficiais, mas agentes de fiscalização dizem que é comum ciclistas não respeitarem regras gerais como parar no sinal vermelho ao circular em uma via pública. Embora não seja um veículo automotor, a bicicleta fica sujeita às mesmas normas de trânsito.

Não à contramão

Muitos ciclistas preferem andar na contramão das vias, pois assim veem os carros se aproximando. A Divisão de Educação do Detran orienta a seguir sempre no sentido do fluxo da via. Circular no sentido oposto aumenta o risco de acidentes mais graves.

USUÁRIO DE APLICATIVO

Facilite o embarque

Ao chamar um veículo, marque um endereço onde o carro possa parar — ou seja, onde não houver placa de proibido parar e estacionar.

Não enrole

Tente já estar pronto para o embarque quando o carro chegar. Assim, ele não precisará ficar parado na via atrapalhando o trânsito ou ocupando uma vaga de estacionamento.

Essa lista não para por aqui, sinta-se livre para realizar outras medidas de segurança e boa convivência no trânsito a fim de inspirar outras pessoas a fazerem o mesmo. Exemplo positivo nunca é demais.

Fonte:
Gaúcha – Zero Hora

Comentários