Ir para o conteúdo principal

Blog


Tudo sobre as novas regras do cheque especial

Tudo sobre as novas regras do cheque especial

Você já deve conhecer o cheque especial, linha de crédito oferecida pelos bancos que os correntistas podem usar a qualquer momento. Por ser um empréstimo de fácil acesso, os juros costumam ser os mais caros do mercado. Segundo o Banco Central (BC), até dezembro do ano passado, os juros médios ficavam em torno de 12% ao mês, ou 306% ao ano.

Mas desde o dia 06 de janeiro, as regras para este limite mudaram. Agora, o BC fixou a taxa de juros em até 8% ao mês. Contudo, isso veio acompanhado de mais uma tarifa adicionada na conta-corrente, como compensação pela diminuição.

Para ajudar você a entender todas as mudanças, confira as informações que separamos sobre as novas regras do cheque especial para 2020.

1. Diminuição de juros

A principal coisa que muda no cheque especial neste ano é o teto de juros, que visa beneficiar o consumidor. 

De acordo com o diretor de Organização do Sistema Financeiro do Banco Central, João Manoel Pinho de Mello, “a concorrência não funciona a contento no produto do cheque especial”. Por isso, “o objetivo é reduzir o custo do produto e fazer essa redução ser passada ao consumidor", completa.

Mesmo com a mudança, o cheque especial continua tendo os juros mais caros do mercado. Ainda não vale a pena utilizar este limite, já que, ao lado do cartão de crédito, as dívidas não compensam. 

A título de comparação, uma pessoa que deve R$1.000 reais no cheque especial, deverá mais de R$2.500, ao final de um ano. Em outras modalidades de empréstimo, os juros podem ser menores que 5% ao mês.

2. Cobrança de tarifa

A diminuição dos juros, contudo, não vem sozinha. Para compensar os bancos, o BC liberou a cobrança de tarifa de 0,25% sobre o limite do cheque especial, independente do uso do produto. 

Limites até R$500 reais são isentos, e a tarifa incide na diferença. Ou seja, quem tem um limite de R$600, paga esses 0,25% sobre os 100 reais restantes. Segundo o Banco Central, 19 milhões de usuários têm menos de R$500 de limite no cheque especial. 

Mesmo parecendo um valor pequeno, para se prevenir, o melhor é entrar em contato com o banco e pedir a diminuição do limite. É importante que se busquem alternativas, como empréstimos mais baratos e optar por uma reserva de emergência.

3. Contas novas e antigas

Para quem abrir contas novas em 2020, a medida já está em vigor, mas para os clientes antigos, essa nova resolução passa a valer em 1º de junho.

Como alguns bancos têm avisado que não vão cobrar tarifas, o mais seguro é entrar em contato com o seu gerente e decidir se vale a pena diminuir o seu limite.

E já sabe, né? Se surgir uma emergência, procura a Banricoop para contratar um CrediPessoal, com juros mais baixos.

Gostou do post? Para mais conteúdos como este, não deixe de acompanhar nossa seção de Educação Financeira.

Fontes:

Comentários