Ir para o conteúdo principal

Blog


Um exemplo campeão

Um exemplo campeão Normalmente a aposentadoria é associada a uma rotina mais pacata. Mas o cooperado Rivaldo Rodrigues da Silva descobriu nessa fase da vida uma oportunidade de viver melhor, construir um novo caminho e vencer batalhas. Aos 63 anos de idade, ele desafiou a si mesmo e conquistou a medalha de ouro no Campeonato Mundial de Jiu Jitsu da categoria Senior 5 (até 100 quilos), em São Paulo.

Funcionário do Banrisul aposentado há três anos, Rivaldo sempre foi um apaixonado por esportes, especialmente artes marciais. Ele já praticou boxe, karate e capoeira. Há nove anos treina jiu jitsu e já chegou à faixa preta. A medalha de ouro é a consagração de um trabalho árduo, que exige disciplina e determinação. “Essa conquista é um incentivo aos jovens e aos adultos, às pessoas de todas as idades”, comemora.

Filosofia de vida
Quando trabalhava como caixa no Banrisul, enfrentar situações estressantes fazia parte da rotina do cooperado. “As lutas sempre me ajudaram”, conta. Além de ser uma válvula de escape, a prática esportiva ajudava a manter o controle e a não desistir diante das dificuldades. Hoje, Rivaldo treina quatro vezes por semana e planeja participar do maior número de competições possível. “Não pretendo parar tão cedo. Enquanto eu tiver força, vou continuar incentivando a gurizada a praticar o jiu jitsu”, projeta.

Uma nova arte de luta
Rivaldo vai muito além da prática esportiva. “Estou criando um estilo um pouco diferente”, revela. Batizado pelo cooperado de jiu jitsu rural, a nova luta tem como base a arte marcial japonesa e suas técnicas para derrubar e imobilizar o oponente; no entanto, o diferencial está no acréscimo de movimentos inspirados nos animais e nas atividades do homem do campo. “Minha ideia é integrar o jiu jitsu tradicional aos movimentos baseados na filosofia e no trabalho do homem no campo”, explica.

E os planos de Rivaldo não param por aí. Ele também pretende escrever um livro e publicar um site sobre a nova técnica de arte marcial. Em outro projeto, pretende levar o jiu jitsu rural para cidades do interior, incentivando o jovem a permanecer no campo. Como todo bom atleta, o cooperado dispõe de dedicação, disciplina e força de vontade para alcançar seus planos e sonhos.

Comentários