Ir para o conteúdo principal

Blog


Veja como se proteger de golpes no WhatsApp

Veja como se proteger de golpes no WhatsApp

A vida online traz facilidades, mas também muitos riscos. No WhatsApp não é diferente: uma oferta tentadora, uma ligação de um número desconhecido ou até um amigo próximo pedindo para que você pague um boleto. Pode parecer muito normal, mas são os tipos de golpe mais famosos da plataforma.

Você sabe como se proteger? Separamos abaixo alguns ataques comuns sofridos por usuários e a melhor forma de se precaver.

1. Número roubado

Nesse ataque, o golpista liga para a operadora dizendo que é o dono do celular, bloqueia a linha original e transfere o número para um aparelho novo. Com o número em mãos, ele pode se passar pela vítima, extorquir dinheiro de conhecidos.

Como a foto e o número de telefone são de uma pessoa de confiança, muitos caem nesse golpe antes que a vítima consiga identificar que teve seu número roubado e avisar seus conhecidos. Algumas vezes, o bandido ainda extorque o próprio dono do chip para devolver o número.

2. Recarga ilimitada

Nesse tipo de ataque, os golpistas oferecem um serviço de recarga para celular ilimitada a um preço até dez vezes menor que o praticado pelo mercado. Mas, ao baixar e instalar o aplicativo, o usuário passa a fornecer diversos dados pessoais e algumas vezes até permite que o aparelho seja rastreado.

Com isso, o bandido pode ter acesso ao número de cartão de crédito, contatos pessoais e até arquivos da vítima, como fotos e vídeos. Com o material em mãos, ele consegue fazer compras e depois ainda pode usar os arquivos pessoais para extorquir a vítima.

3. Site falso

Também chamado de “phishing”, o golpe do site falso nada mais é do que criar uma página idêntica a um serviço conhecido, como o GMail, por exemplo, para que o usuário preencha seu login e senha e os bandidos tenham acesso aos dados.

No Brasil, eles criam correntes falsas e a distribuem massivamente por meio de correntes de WhatsApp. Geralmente, são promoções de eletrodomésticos e eletrônicos vendidos a preços muito menores que o habitual. Ao clicar no link com a suposta promoção, o usuário é redirecionado para um site idêntico ao de grandes lojas brasileiras de departamento.

Proteja-se

Para se precaver destes golpes, existem várias maneiras, mas em primeiro lugar, é preciso cuidar dos dados pessoais expostos na internet. 

Cuide dos seus dados pessoais

O especialista em segurança de dados e diretor de inovação da Mandic Cloud, Bruno Almeida, explica que um ataque como o roubo de número só é possível quando os bandidos tiveram acesso aos dados pessoais da vítima de alguma forma. Para evitar que isso ocorra, ele indica cuidado na hora de passar essas informações online, como CPF, endereço e telefone.

Autenticação em dois fatores

O outro método é verificação em duas etapas, também chamada de autenticação em dois fatores. Disponível em diversos aplicativos, este mecanismo é uma camada extra de segurança que pede um código toda vez que você tenta logar. Este código pode ser enviado por mensagem, para o seu celular, por e-mail, ou até mesmo para um aplicativo feito especialmente para este fim.

Para acessá-la no WhatsApp, vá até as configurações do app, entre na opção "conta" e em seguida "verificação em duas etapas". Da próxima vez que você for entrar no aplicativo, em vez de ganhar acesso imediato à conta, é preciso fornecer uma segunda autenticação: a digital, um comando de voz, uma senha ou um código enviado por SMS.

Preste atenção aos aplicativos baixados

Quando for baixar um aplicativo, mesmo compartilhado por um contato de confiança é preciso analisar se ele é idôneo. Bruno Almeida explica que muitas vezes o aplicativo funciona e o usuário não percebe nenhuma alteração, mas diversos dados pessoais estão sendo compartilhados.

Para evitar isso, leia as permissões pedidas pelo aplicativo quando for instalá-lo no celular. "Alguns jogos mandam muitos pop ups para que você instale outras coisas. Se o usuário conceder com uma permissão que pode obter mais acesso, ele (hacker) vai conseguir informação privilegiada", continua Almeida.

Desconfie de ofertas tentadoras

Tavares, da SaferNet Brasil, também dá dicas para se proteger de sites e aplicativos falsos: "A primeira coisa é digitar o site manualmente diretamente no browser para evitar sites clonados. O acesso diretamente por links pode levar a sites falsos e enganar o comprador.” 

“Se a loja realmente estiver fazendo a promoção, o cliente deve entrar em sites que comprovem a reputação da empresa, como a plataforma consumidor.gov.br, do Ministério da Justiça, e o Reclame Aqui", completa.

Fonte:

Comentários