Ir para o conteúdo principal

Blog


Você sabe identificar a obesidade?

Você sabe identificar a obesidade?

A obesidade e o sobrepeso têm se tornado fatores importantes na saúde mundial. O consumo excessivo de calorias e a falta de exercício físico são os principais vilões, mas o aumento de peso também pode estar relacionado a distúrbios hormonais e problemas emocionais, como ansiedade ou nervosismo.

Mas será que somos bons em identificar a obesidade? Como saber se precisamos de ajuda para perder peso? De acordo com a nutricionista Cátia Buscatti, a confusão entre a obesidade e um simples sobrepeso é comum e isso pode afetar a escolha ou não de iniciar um tratamento, ou a identificar a necessidade do emagrecimento de forma adequada para a sua saúde.

Uma das maneiras mais utilizadas para identificar se uma pessoa está ou não obesa é calculando o seu IMC (índice de Massa Corpórea), que faz uma relação entre o peso e a altura do indivíduo. O IMC é uma boa orientação e ainda muito utilizado na comunidade médica, mas ele tem seus problemas. Cátia explica que os médicos precisam levar em consideração outros aspectos, como o percentual de massa gorda e a estrutura do corpo do paciente. 

“Eu tenho pacientes que estão com o IMC acima da tabela de adequação e que poderiam ser considerados com sobrepeso. Mas na verdade eles têm um índice de massa magra muito alto, e por causa do peso a mais de músculos, eles não podem ser considerados com sobrepeso. Então para cada caso é necessária uma avaliação profissional individual”, completa.

Assim, uma outra forma de avaliar se a pessoa está ou não acima do peso ideal é por meio da medição da gordura visceral, medindo a circunferência abdominal. De acordo com a Federação Internacional de Diabetes, as medidas variam de acordo com a etnia. Para os latino americanos, o valor limite da circunferência é de 94 centímetro em homens e 80 centímetros em mulheres.

Sintomas e doenças causadas pela obesidade

Algumas pessoas entendem o aumento de peso como um problema puramente estético, mas não é bem assim. Embora no Brasil a obesidade não seja considerada uma doença, ela precisa ser tratada para não causar transtornos mais graves, como por exemplo:

  • Falta de ar e dificuldade respiratória
  • Dores no corpo e nas articulações
  • Dermatites e infecções fúngicas
  • Impotência e infertilidade
  • Distúrbios do sono
  • Varizes e úlceras venosas
  • Ansiedade e depressão

É preciso cuidar da saúde

Cátia lembra que, em muitos casos, o paciente com sobrepeso pode achar que está tudo bem com a sua saúde e que não há motivos para se preocupar. Porém, se o sobrepeso está ligado a uma maior camada de gordura no corpo, ele pode ser considerado muito prejudicial à saúde com o aparecimento de algumas doenças.

A especialista destaca que, no caso de pacientes idosos, é preciso controlar as comorbidades, que são as doenças relacionadas ao excesso de peso. É importante que o paciente consulte um profissional nutricionista que irá determinar um tratamento eficiente para cada caso. “Todo mundo sabe que, para emagrecer, para reduzir peso, a gente precisa de atividade física regular associada a uma alimentação equilibrada”, explica.

Cátia avisa que devemos ter cuidado ao iniciar uma jornada de perda de peso. “Não existe todo mundo fazer caminhada e todo mundo fazer a dieta X. Para cada caso, a gente vai trabalhar a sua individualidade, porque cada pessoa é diferente, tem uma rotina diferente, tem uma forma de ver a atividade física diferente – há pessoas que têm prazer em fazer atividades físicas, outras não”. O ideal é sempre visitar um médico e um nutricionista para ter o tratamento adequado e personalizado para cada caso.

Fonte:

Comentários