Ir para o conteúdo principal

Blog


Volta às aulas 2019: veja dicas para economizar na hora de comprar material escolar

Volta às aulas 2019: veja dicas para economizar na hora de comprar material escolar

 

O ano mal começou e, para os pais de crianças e jovens, já vem aquele gasto extra: o do material escolar. Em 2019, a expectativa é que a conta venha mais alta, já que os preços da categoria subiram, em média, 1,02% no acumulado do ano passado, segundo pesquisa do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV/IBRE).

Ainda de acordo com a mesma instituição, os livros didáticos tiveram alta de 0,5% nos preços em 2018, enquanto os não didáticos, como livros de literatura, subiram 0,46%.

Para ajudar a economizar na hora de fazer as compras de materiais escolares, dicas foram elaboradas por Ricardo Teixeira, coordenador do MBA em Gestão Financeira da FGV, Erica Cardoso, gerente de marketing da Estante Virtual, site de venda de livros usados e novos, e Igor Marchetti, advogado do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec). Confira:

Planeje o orçamento

No começo do ano, além dos gastos com a escola (matrícula, rematrícula, uniforme, transporte e etc.), a família tem que arcar com outras despesas como IPVA e IPTU, por exemplo. Segundo o coordenador Ricardo Teixeira, da FGV, é importante fazer um planejamento financeiro para saber o quanto se pode gastar sem que as outras contas sejam prejudicadas.

“O grande problema é que essas contas chegam todas ao mesmo tempo. Então, é preciso se preparar do ano anterior para o ano seguinte já pensando em tudo: IPVA, IPTU e escola, para que o impacto sobre os seus gastos totais não seja grande”, conta.

Igor Marchetti, advogado do Idec, complementa que antecipar as compras também é uma boa saída para não acumular as despesas.

“Antecipar a compra de material escolar é um passo fundamental para evitar preços mais altos e longas filas nas papelarias, tão comuns no período de volta às aulas. Quanto mais antecedência, maior será a economia de tempo e dinheiro”, disse.

Não tem jeito, esses gastos são imprescindíveis e fixos – vêm sempre na mesma época do ano. O bom planejamento da entrada e saída de dinheiro na casa é o único jeito de sobreviver à tantas cobranças importantes e concomitantes. Nosso serviço de consultoria financeira pode te ajudar quanto a isso.

Pesquise e compare preços

Como são muitas opções de lojas para realizar as compras, uma das sugestões do Igor Marchetti é fazer uma comparação de preços em lojas diferentes. Tenha boa vontade e pesquise, os resultados podem surpreender.

“Alguns produtos da lista podem ser bem caros, por isso é importante comparar o preço de marcas de lojas diferentes antes de fechar a compra. Comprar livros didáticos diretamente da editora ou adquiri-los de sebos podem ser opções para não gastar tanto”.

Avalie se vale a pena pagar à vista ou parcelado

Para os especialistas, pagar à vista tem a vantagem de não prolongar os gastos, mas é importante levar em consideração o orçamento planejado. Nosso Credi Ensino pode ser seu aliado nesse momento.

“Para saber se vale a pena pagar à vista ou parcelado, o consumidor deve constatar se há política de desconto na compra à vista. Outra medida possível é juntar pais e fazer uma compra coletiva, buscando assim adquirir produtos a preço de atacado, o que costuma baratear o preço também”, conta Igor Marchetti.

"Pagar à vista e com desconto é a melhor opção. Mas se não tiver o dinheiro, pague no crédito, mas sem juros", complementa Ricardo Teixeira, coordenador do MBA em Gestão Financeira da FGV.

Avalie os itens exigidos na lista de material escolar

A escola não pode, por exemplo, solicitar produtos de uso coletivo, como os de higiene, limpeza, copos e talheres descartáveis. Também não pode determinar a compra de marcas e lojas específicas. Outra proibição é pedir para adquirir o material na própria escola, o que configura venda casada.

De acordo com Marchetti, do Idec, é necessário analisar os itens de uso coletivo e, se perceber algo fora do comum, é possível denunciar ao Procon.

"Outra medida é a ação conjunta com pais questionando coletivamente a lista de material. Isso pode ser interessante para que os consumidores se protejam mutuamente em torno de uma causa comum”, explica.

Invista em itens usados ou troque

A troca e/ou compra de itens usados é outra alternativa para economizar, principalmente em relação aos livros paradidáticos, que são leitura obrigatória. Em alguns casos, comprá-los em uma papelaria online pode reduzir os gastos em até 50%, de acordo com o site Estante Virtual.

O livro “Dom Casmurro”, de Machado de Assis, por exemplo, pode ser encontrado por R$ 4. Para quem optar por livros seminovos, a gerente de marketing da Estante Virtual, Erica Cardoso, alerta que é preciso ficar atento para saber se o livro está em bom estado.

“Para quem for comprar material escolar online é importante ficar atento ao estado de conservação dos livros, que está na descrição do produto no site. Além disso, é preciso analisar na lista [de materiais] qual a edição específica que a escola exige”, explica Erica Cardoso, gerente de marketing do site Estante Virtual.

O professor Ricardo Teixeira observa que, em geral, os livros didáticos podem ser reaproveitados, e por isso, vale a pena se juntar com outros pais para fazerem uma troca.

“Procure famílias e pessoas para fazer a troca de livros. Participe de feirões de livros, a maioria vendem por valores simbólicos”.

Além dos livros usados, verifique a necessidade de comprar materiais novos. É importante ensinar às crianças que os materiais não precisam ser descartáveis e, se bem cuidados, podem ser reaproveitados no ano seguinte.

Não compre tudo de uma vez

A peregrinação entre papelarias com uma longa lista de itens em pleno verão pode ser exaustiva e nos induzir a comprar tudo de uma vez, para facilitar. Isso pode elevar o preço total sem necessidade. Ao longo do ano é possível aproveitar algumas promoções fora da época de volta às aulas. A sugestão do professor Ricardo Teixeira é que os pais priorizem os itens essenciais para os primeiros meses de aula, porque os preços tendem a baixar depois que as aulas já começaram.

Igor Marchetti, advogado do Idec, aponta ainda “que evitar comprar produtos com personagens infantis gera uma grande economia, já que esses itens são mais caros e, além disso, podem distrair a atenção da criança na aula”.

Guarde dinheiro durante o ano

Segundo os entrevistados, a orientação é pensar em economizar antes desse período de volta às aulas. Criar uma poupança só para esses gastos ajuda na organização financeira do ano todo. As aplicações financeiras são bons jeitos de guardar dinheiro mensalmente, seja para uma finalidade específica ou um projeto mais amplo. Consulte nossas opções e veja qual modalidade se adapta melhor à sua realidade e seus objetivos.

Quer saber mais sobre educação financeira? Então acompanhe nossos conteúdos e também os vídeos do Projeto Educar.

Fontes:
Finanças Pessoais
G1

Comentários